RESENHA - LIVRO #2 : SÓ A TERRA PERMANECE




    Titulo: Só a Terra Permanece

    Titulo Original : Earth Abides
    Autora: George R. Stewart
    Ano: 1990
    Ano da Primeira Publicação: 1949
    Nº de Páginas: 33
    Gênero: Romance / Ficção

    Editora: 
    GRD










    Sinopse: 
    Enquanto o jovem estudante de geografia Ish, estava isolado nas montanhas fazendo um trabalho para a faculdade, uma doença dizima a vida na Terra deixando apenas alguns sobreviventes. Ele então faz uma jornada solitária pelos EUA, encontrando pessoas psicologicamente abaladas pela tragédia, voltando depois à sua cidade natal e tomando a casa de seus pais como nova moradia. Ao longo do tempo ele vai encontrando outros sobreviventes com quem forma uma "tribo".

        A ficção científica sempre nos proporcionou grandes obras, trazendo sempre uma maneira diferente de como seria  o apocalipse. Na maioria delas sempre envolvem violência, a sociedade saindo de seu eixo passando por regras e destruindo a ordem, mas poucas obras conseguem exprimir o verdadeiro sentido do final de uma civilização como Só a Terra Permanece faz, escrito no final da década de 40 influenciou uma geração de histórias do gênero. Vencedor do primeiro “International Fantasy Awards” em 1951, antecessor do prêmio “Hugo Awards” é considerado como uma das melhoras obras de temática pós-apocalípticas já escritas. 

      O Interessante desta obra é a forma que ela retrata a maneira da sociedade com este apocalipse, a forma como a doença se espalha, ou a origem do vírus não são muito apresentadas, o personagem principal nem a presencia e o leitor só a descobre de maneira superficial que poucas pessoas restaram na Terra.

      O Foco da obra e total em como a vida a partir dali, ela não se limita em contar a historia da sobrevivência, mas também em como o protagonista Ish, um pouco tímido e abalado, se sente responsável em recomeçar uma civilização por meio de seus ensinamentos aos seus descendentes, dos valores morais e sociais anteriores a epidemia, Ish reflete sobre seus conceitos, fazendo questionar certos pensamentos, enquanto os demais tentam levar uma vida mais agradável possível em meio a catástrofe, enquanto Ish tenta incentiva-los a recomeçar. apos o decorrer da trama, percebe-se que os conhecimentos de como o mundo era antes da catástrofe vai sendo esquecido.

      Em vários momentos pode-se perceber a angustia de Ish em constatar a regressão dos conceitos básicos de uma sociedade que após muitas tentativas acaba conseguindo atenção de sua "tribo" vai moldando e evoluindo de maneira própria sobre conceitos de uma nova sociedade.

      Só a Terra permanece é uma leitura muito emotiva, os personagens são moldados a partir da dor e perda de todos os conhecidos entretanto alguns têm seu caráter alterado devido situações causadas pela catástrofe, o cenário se altera junto ao passar dos anos. Uma leitura calma e agradável, onde tem seu inicio um pouco calmo, onde não ocorrem grandes acontecimentos fazendo ser uma leitura lenta porém bem detalhada.

      


    PRÊMIOS

    venceu o inaugural Fantasy Award Internacional em 1951.


    Melhor Ficção All Time Ciência em 1987 e 1998 pela Locus Magazine

    Indicado para ser inserido no Salão Prometheus of Fame




    Conhecido pelo seu único livro de ficção científica, Earth Abides, de 1949, uma ficção científica apocalíptica, pelo qual ganhou o primeiro International Fantasy Award em 1951. A ficção foi dramatizada no programa de rádio Escape e inspirou The Stand, obra de Stephen King.
    O seu livro de 1941, Storm, destacando-se como sua protagonista uma tempestade no Oceano Pacífico, chamada "Maria", que levou ao Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos a usar nomes pessoas para designar tempestades e inspirou Alan Jay Lerner e Frederick Loewe a escrever a música "They Call the Wind Maria" para o musical Paint Your Yagon em 1951
    .

    9 comentários :

    1. Olá, tudo bem?
      Adorei a resenha, espero ler um dia.

      ResponderExcluir
    2. Oi, tudo bem?

      Não conhecia o livro, mas confesso que fiquei curiosa. Amo livros livros com essa temática distópica, embora não esteja lendo muito esse gênero ultimamente e acho que a história tem tudo pra ser muito cativante.

      Abraços! ;*

      ResponderExcluir
    3. Olá!!

      Não conhecia a obra e também não conhecia o autor, mas parece ser muito legal, sua resenha me deixou curiosa. No momento não me lembro de ter lioo algum livro de ficção cientifica, mas um que eu acho que é esse gênero e que quero muito ler é Admirável mundo novo. já vou anotar essa dica, espero ler futuramente. Adorei sua resenha está muito bem escrita !!

      ResponderExcluir
    4. Olá!
      Confesso que não conhecia esse livro e esperava tudo menos uma leitura calma, como você citou.
      Achei muito interessante a premissa dessa estória e vou me valer da dica, pois acho que ela irá acrescentar bastante à minha vida.
      Beijos

      ResponderExcluir
    5. ola!
      Gostei da resenha, adoro esse tipo de historia cheia de mistérios, fiquei curiosa já pela sinopse hhehe
      Beijoos <3

      ResponderExcluir
    6. Olá
      Não conhecia mesmo o livro e nem o autor e pela sua resenha fiquei com muita curiosidade de ler a obra.
      Gosto de distopia e ver como as pessoas criam várias suposições de como ficará e/ou de como seria a terra.
      Dica mais do que anotada.
      Beijuh

      ResponderExcluir
    7. Olá! Adorei a premissa. Espero um dia ter a chance de ler. Parece ser uma ótima leitura, porem triste.

      Beijos!

      ResponderExcluir
    8. Olá! Não conhecia o livro, achei a premissa bem interessante. Gosto desse gênero, distopia, e acho legal quando podemos encontrar algum diferencial na leitura. Dica anotada, abraços.

      ResponderExcluir
    9. Oi, tudo bem?
      Eu sou fã desse gênero e confesso que não conhecia a obra. Gostei da visão que o autor deu, é diferente. Tentei me imaginar no lugar do personagem, tendo que repensar sobre o que era certo e errado, sobre cada conceito com o qual foi criado em um mundo que não existia mais. Será que diante dessa realidade, devemos entender que os conceitos estavam errados? Que para recomeçar teríamos que mudar tudo? Pena que foi um pouco parado. Mas com certeza irei colocar na minha lista, parece ser uma obra imperdível.
      beijinhos.
      cila.

      ResponderExcluir